quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Brasil - Região Norte

Estados e capitais da Região Norte do Brasil


Estados: Acre (capital  Rio Branco), Amapá (capital Macapá), Amazonas (capital - Manaus), Pará (capital Belém), Rondônia (capital Porto Velho) , Roraima (capital Boa Vista) e Tocantins (capital Palmas). 
Limites: ao sul com Mato grosso, Goiás e a Bolívia, ao norte faz divisa com Venezuela, Suriname, Guiana, Guiana Francesa, ao leste com Maranhão Piauí e Bahia e a oeste com Peru e Colômbia.
Área total: 3.869.637 km²
Número de municípios: 450 (2013)
População (2013):  16.983.485 habitantes
Densidade demográfica (2013): 4,4 hab./km²
Maiores cidades (Habitantes/2000):  Manaus (1.403.796); Belém (1.279.861); Ananindeua-PA (392.947); Porto Velho (314.525); Macapá (282.745); Santarém-PA (262.721); Rio Branco (252.885); Boa Vista (200.383); Palmas (137.045).
Mortalidade infantil (por mil): 19,8 (2012)
Analfabetismo: 9,5% (2013)

Relevo:

Dividido em três partes:
Planícies e Terras Baixas Amazônicas: pequena margem do Rio Amazonas e alguns trechos em partes elevadas, dividida em três subgrupos:
Igapós:  partes mais baixas inundadas pela cheia do Rio Amazonas;
Tesos ou terraços fluviais (Várzeas): altitudes menores que 30 metros inundadas pelas cheias mais fortes;
Terra firme: até 350m de altitude livre das inundações, composição do terreno é de arenito.


Planalto das Guianas: constituído por terrenos cristalinos que vão do Brasil até a Venezuela e as Guianas. Na fronteira desses países encontra-se a Região Serrana, onde está localizada a Serra do Imeri, Parima, Pacaraima, Acaraí e Tumucumaque. Na Serra do Imeri, na região norte do estado do Amazonas encontramos o pico mais alto do Brasil, o Pico da Neblina.
Planalto central: na parte sul da região, abrangendo o estado do Amazonas, Pará, Rondônia e Tocantins. Constituído por terrenos cristalinos e sedimentos antigos, sendo mais elevado ao sul e no Tocantins.

Clima




O clima da Região Norte é o equatorial (úmido). Temperaturas elevadas durante o ano todo, com baixa amplitude térmica, com exceção de algumas localidades de Roraima e Acre onde ocorre o fenômeno La Niña, que permite que massas de ar frio vindas do oceano Atlântico entrem na região pelo Mato Grosso até chegar nesses estados, abaixando sua temperatura. Isso ocorre porque o calor da Amazônia permite que exista uma área de baixa latitude que atrai massa polar. As chuvas são constantes com um período de estiagem de junho a novembro. As maiores incidência de chuvas são nas áreas do litoral do Amapá, foz do Rio Amazonas e algumas partes da Amazônia Ocidental. As chuvas de convecção ou de “hora certa” são características da região.

Vegetação

Floresta Amazônica - maior ecossistema do mundo -  equivale a mais de um terço das reservas florestais do mundo.Características: árvores grandes e largas (espécies latifoliadas), próximas uma das outras e unidas por cipós e epífitas (vegetais que se apoiam em outros). 


O clima quente e chuvoso favorece o crescimento de plantas e a reprodução de animais durante todo o ano, fazendo com que a floresta Amazônia possua a flora mais variada do planeta. Próximo aos rios, onde a inundação é permanente a vegetação é mais baixa chamada de mata de igapó. Nas chamadas mata de Várzea onde a inundação não é permanente começam a surgir árvores mais altas. Sem considerar a devastação, a floresta Amazônica ocupa mais de 90% da Região Norte. Na ilha de Marajó, a maior ilha de água fluviomarinha do mundo, e no vale do Rio Amazonas encontramos às formações rasteiras de Campos da Hileia que, nos períodos de cheias dos rios, ficam inundadas. Já em Tocantins, Rondônia e Roraima existem grandes extensões de cerrado.
Exemplos de espécies da flora da Floresta Amazônica: vitória-régia, seringueira, aninga, bromeliácea, caucho, guaraná, castanheiro, sapucaia, 


Exemplos de espécies da fauna da Floresta Amazônica: onça pintada, capivara, arara-vermelha, quati, uirapuru, jacaré-açú, cobra sucuri, tartatuga-da-amazônia, harpia, anacã, preguiça real, irará, mico-de-cheiro, macaco uacari (cacajao), sagui-imperador, tatu-galinha, macaco barrigudo, ariranha, jaguatirica, tucano-de-bico-preto,


Animais da região Norte ameaçados de extinção: peixe-boi, onça-pintada, tamanduá-bandeira, ararajuba, sauim-de-coleira, macaco-aranha, gato-maracajá, macaco-de-cheiro.


Hidrografia


As bacias hidrográficas da região Norte são: Amazônica; Tocantins-Araguaia; e Atlântico trecho Norte. Usinas Hidrelétricas: Usina Hidrelétrica de Balbinos, de Samuel, Santarém, Tucuruí e São Felix.

Bacias HidrográficasÁrea (km²)Chuva Média (mm/ano)Vazão Média (m³/s)
Amazônica6.112.0002.460209.000
Tocantins-Araguaia757.0001.66011.800
Atlântico trecho Norte76.0002.9503.360
Quadro 1: Dados hidrológico das bacias da região Norte. Adaptado de Cunha, S. B. da.Bacias Hidrográficas. In: Cunha, S. B. da.; Guerra, A. J. T. (orgs.). Geomorfologia do Brasil. 5ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

Bacia Amazônica: maior bacia hidrográfica do mundo, formada pelo rio Amazonas (maior rio em extensão e volume) e seus afluentes. Engloba os Estados do Amazonas, Rondônia, Ace, Roraima e uma parcela dos estados do Pará, Mato Grosso e Amapá no Brasil e se estende por mais seis países: Bolívia, Peru, Guiana Frances, Guiana, Colômbia e Venezuela.. Por causa da sua grande extensão, o rio Amazonas (nasce no Peru) possui três portos, um deles está localizado em Manaus, capital do Amazonas. Possuí cerca de 23 mil quilômetros de rios navegáveis. Fazem parte desta bacia diversos afluentes do rio Amazonas como, por exemplo, rio Negro, Solimões, Branco, Juruá, Xingu, Japurá, entre outros. Na foz do rio Amazonas acontece um fenômeno natural chamado pororoca, uma onda contínua de até cinco metros formada na subida da maré. 


Bacia do Tocantins- Araguai: estabelecida na Região Norte e Centro-Oeste engloba os Estados de Goiás e Tocantins. Principais rios são o Tocantins e o Araguaia, que se unem na extremidade norte da Bacia, formando o Baixo Tocantins que deságua no Rio Pará. No rio Tocantins está instalada a usina hidrelétrica, a Tucuruí a maior da região e 2ª do país (a maior inteiramente nacional, já que Itaipú, no Paraná, é binacional - Brasil/Paraguai). 


Bacia do Atlântico trecho Norte: engloba os Estados do Amapá e Pará. 

Reservas Indígenas e poluição:

As 26 unidades de conservação da região, compreendem apenas 3,2% da Amazônia, de acordo com o Fundo Mundial para a Natureza (WWF). Devido à inexistência de fiscalização, essas áreas são alvo de queimadas. Entre 1997 e 1998, aumenta em 27% a parcela da Amazônia Legal devastada por essa prática, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Dos 4 milhões de km² de floresta original, 13,3% jão não existem mais. Pará, Rondônia e Acre são os estados que mais contribuem para o aumento desse índice. Além de afetar a fauna e a flora, as queimadas prejudicam a vida dos milhares de índios que ainda habitam a região. De acordo com a FUNAI, são cerca de 164 mil índios de diferentes etnias. A maior é a dos ianomâmis, com 9 mil representantes. 


A Região Norte detém 81,5% das áreas indígenas protegidas por lei - o Amazonas possui a maior extensão dessas terras (35,7%). A influência desses povos nativos se faz presente na culinária e na festa do Bumba-Meu-Boi de Parintins (AM). Junto com o Círio de Nazaré, que acontece em Belém (PA), é uma das festas regionais mais conhecidas. A biodiversidade e os habitantes do Norte, sofrem ainda outro grave problema: a poluição dos rios pelo mercúrio, que contamina populações ribeirinhas. Alguns cientistas crêem que o mercúrio detectado não seja consequência apenas da ação do homem no garimpo de ouro, mas que ele também esteja sedimentado em solos da região.

População:

É a maior região territorial do Brasil, possui os dois maiores estados - Amazonas e Pará e as cidades de Altamira, Barcelos e São Gabriel são as maiores cidades do país em área territorial, tendo cada uma, mais de 100.000 km², sendo maiores que os estados de Sergipe, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Alagoas juntos. Apesar de ser a maior região do Brasil, é a menos povoada, supera somente o Centro-Oeste (14.058.094 habitantes). A população absoluta da Região Norte responde por cerca de 8% do total do país, somando 15.864.454 habitantes, conforme dados do Censo Demográfico de 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estado mais populoso é o Pará, com 7.581.051 habitantes, e Roraima o menos populoso 450.479 habitantes. Devido aos diversos vazios demográficos a região apresenta uma população relativa de aproximadamente 4,1 hab/km². 

Grande parte da população se encontra distribuída nos centros urbanos, em cerca de 500 municípios dispersos por toda região. Há concentração urbana e rural nas margens de rios (população ribeirinha), como as cidades de Belém, Manaus, Porto Velho, Santarém, entre outras. A concentração ribeirinha é decorrente da falta de vias de transporte ferroviário e rodoviário, assim a população utiliza como principal meio de deslocamento as embarcações fluviais. Um dos principais problemas enfrentados pela população é o desprovimento dos serviços de saneamento básico e coleta de lixo.

O povo do Norte é descendente de índios, portugueses, além dos migrantes oriundos de outras regiões brasileiras, como do Sudeste e do Sul. A população da Região Norte segundo a cor/raça está dividida em pardos (69,2%), brancos (23,9%), negros (6,2%) e índios e amarelos (0,7%).


Cultura: Danças típicas (marujada, carimbó, cirandas), Festival Folclórico de Parintins, festa religiosa do Cirio de Nazaré (Belém). Na culinária é forte a influência indígena. Os pratos típicos que se destacam são pirarucu de casaca, tacaca, açai, pato no tucupi e maniçoba.

Transportes:


Os transportes rodoviários são problemáticos, em razão das grandes distâncias e rodovias insuficientes e mal conservadas, com poucas exceções. No período das chuvas, as estradas ficam intransitáveis. Um exemplo de mal gasto do dinheiro público e prejuízos ao meio ambiente foi a construção da Transamazônica, até hoje não concluída, embora iniciada sua construção há mais de 30 anos. O transporte aéreo é razoável, com bons aeroportos em Manaus e Belém. Manaus é hoje o 3° maior centro movimentador de cargas aéreas do país, após São Paulo e Rio de Janeiro, em razão justamente da distância e dos problemas do transporte rodoviário. 


Existe algum aproveitamento no transporte fluvial de cargas e passageiros, nem sempre com barcas adequadas e frequentemente acontecem acidentes.

Economia:

A economia da região baseia-se nas atividades industriais, extrativismo mineral e vegetal, agricultura, pecuária e o turismo.
Extrativismo: de produtos como o látex, açaí, madeiras, castanha e minérios. A Serra dos Carajás (PA), é a mais importante área de mineração do pais, produtora de grande parte do minério de ferro exportado, e a Serra do Navio (AP), rica em manganês. A extração mineral, porém, praticada sem os cuidados adequados, contribui para a destruição ambiental.


Indústria:  destaca-se o Pólo Industrial de Manaus, na cidade de Manaus-AM. Nesta região há grande produção de eletrônicos, relógios, eletrodomésticos e suprimentos de informática.


Agricultura (principais produtos agrícolas): soja (crescimento expressivo nos últimos anos), guaraná, arroz, mandioca, cacau, maracujá e cupuaçú.

Pecuária: bufalina em Roraima e na Ilha de Marajó.


Turismo: A beleza natural da Floresta Amazônica (fauna, flora, cachoeiras, corredeiras, rios) tem atraído cada vez mais turistas do Brasil e de vários países do mundo. Além do ecoturismo, existem festas e pontos turísticos importantes: Mercado Ver-o-Peso (Belém), Museu Paraense Emilio Goeldi, Teatro da Paz (Belém), Teatro Amazonas (Manaus).

Referências:
www.estadosecapitaisdobrasil.com
http://rachacuca.com.br/ (questões de vestibular e ENEM na aba educação)
www.aneel.gov.br
http://ambientes.ambientebrasil.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário